Fonte: [+] [-]

Viva a Boca do Lixo - Como Consolar Viúvas


















Viva a Boca do Lixo


Como Consolar Viúvas                                (publicado: 01/2013)

Por Gabriel Carneiro

José Mojica Marins entrou para a história do cinema brasileiro como o sujeito a bancar o gênero horror em terras tupiniquins, realizando obras-primas diversas nessa seara, e por inventar um personagem popularíssimo no imaginário brasileiro: o Zé do Caixão. Seu auge esteve nos anos 1960, quando dirigiu, entre outros, À Meia-Noite Levarei sua Alma (1964), Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver (1966) e O Estranho Mundo de Zé do Caixão (1968). Em 1969, dirigiu sua obra máxima, o horror psicodélico Ritual dos Sádicos. Interditado pela censura, o longa só seria lançado em 1983 sob o título, O Despertar da Besta. A perseguição da censura a Mojica foi crucial para seu destino. Os produtores, não confiantes com o que poderia acontecer aos seus novos filmes, pararam de bancar as fitas de horror do cineasta. Para sobreviver, Mojica teve que investir nos mais diversos gêneros cinematográficos, fazendo filmes de encomenda. Fez, assim, filmes de aventura (Sexo e Sangue na Trilha do Tesouro/1970), faroestes (D’Gajão Mata para Vingar/1972), e comédias eróticas.

Como Consolar Viúvas é sua segunda e última comédia erótica. Precedida por A Virgem e o Machão (1974), Mojica só voltaria à comédia em seus filmes de sexo explícito. Ambos os filmes são assinados como J. Avelar, pois o produtor Augusto de Cervantes achava o nome José Mojica Marins vinculado demais ao Zé do Caixão. e que isso poderia prejudicar a carreira das comédias.

Apesar de Como Consolar Viúvas ter todos os elementos de uma típica pornochanchada, com direito a nudez, insinuação sexual, gags diversas sobre a questão sexual, trama rasteira e muitas vezes inverossímil, etc, etc, o filme apresenta muitas características do cinema de horror, tão íntimo a Mojica. A começar pela trama: bon-vivant decadente e endividado resolve dar golpe em três irmãs viúvas ricas, que perderam seus respectivos num acidente de avião; para tal, se fantasia de cada marido e visita cada uma delas pedindo dinheiro – só não contava com a fúria de seus fantasmas.

O principal trunfo do longa de Mojica parece ser justamente esse: sua sapiência em trabalhar o horror em diferentes registros. Do apavorante, em seus filmes legítimos do gênero, ao paródico, no caso desse, através do uso dos clichês do som e da música, de imagens distorcidas, típicas de produções buscando criar atmosfera fantástica, e da presença do sobrenatural na criação de imagens cômicas (o ataque do vibrador assassino, por exemplo). O jogo feito por Mojica confere classe ao longa, numa produção deveras barata.

A comédia faz-se presente também nas auto-referências que o diretor faz, especialmente nos diálogos. Em determinado momento, acusam uma das viúvas, ao abrir a porta de roupas íntimas: “Parece atriz de pornochanchada”. O riso só não é mais fácil quando falam que os mistérios que permeiam as viúvas são coisas de “filme do Zé do Caixão”.

Fora do escopo da construção da comédia, mas não totalmente, é interessante notar a defesa da liberdade sexual dos personagens do filme, e de uma certa libertinagem sadia, que Mojica imprime no roteiro de Georgina Duarte. Há, no longa, um conflito de gerações, que opõe pai e irmã, e as filhas. Os primeiros, de uma linhagem retrógada, defendem o luto das filhas por tempo indeterminado – e isso significa a clausura delas na casa -, bem como discriminam qualquer interesse sexual que possam exprimir; as segundas, apenas querem aproveitar a jovialidade que ainda possuem. E o curioso é que as proibições são os fatores causadores de todas as enrascadas por vir. É aquela coisa: se as viúvas não estivessem contidas, jamais se entregariam ao que julgavam ser o fantasma do marido e não engravidariam ou perderiam dinheiro.

A outra questão está mais ligada ao imaginário da população brasileira. Aquiles, o decadente e endividado, é o típico vigarista. O que o move é enganar o próximo, de maneira desonesta, para seu próprio bem, levando uma boa grana nisso. Para o vigarista ser bem sucedido alguém tem de cair em seu conto do vigário. Aí está a chave do filme, que lhe confere sua leveza e levanta os cabelos dos afeitos às explicações mínimas e completas. As viúvas caem em seu conto. Por quê? Oras, porque não fazem sexo há muito tempo e estão desesperadas pelo gozo, nem que isso signifique acreditar nos fantasmas dos maridos, pedindo coisas absurdas (p. e. levar uma quantia ‘x’ de dinheiro para um mendigo, para que uma questão fiscal no nome do defunto seja resolvida), apenas para que possam voltar a fazer sexo. É uma ideia muito bem trabalhada pelo historiador José Augusto Dias Jr. em seu livro “Os Contos e os Vigários”: a de que quem cai no conto do vigário só o faz porque acha que está tirando proveito da situação em detrimento de algo que não seria assim tão fácil – como conseguir sexo, mesmo com a enorme tutela do pai e da tia. Mojica, claro, não está nem aí pra isso. Porque, as viúvas, enquanto fazem sexo, pouco se importam com quem lhes proporciona felicidade. Ou seja, a questão vai além de serem enganadas, e fica na intransigência do prazer momentâneo.


FICHA TÉCNICA:

Direção: J. Avelar (pseudônimo de José Mojica Marins)
Produtores: Manuel Augusto Sobrado Pereira, M. Augusto de Cervantes, G. G. D. Rezende
Direção de produção: Virgilio Roveda
Diretor de Fotografia: Giorgio Attili
Câmera: Giorgio Attili
Assistente de Câmera: Nicanor de Oliveira
Efeitos especiais de fotografia: Virgilio Roveda
Montador: Roberto Leme
Roteiro: G. G. D. Rezende
Argumento: G. G. D. Rezende
Técnico de Som: Julio Perez Cabalar, Orlando Marcelo, Pauo Perrota
Direção Musical: Solon Curvelo.
Consultoria de cor: Jurandir Pizzo
Maquiagem: G. G. D. Rezende

Elenco: Vic Barone, Vosmarline, Zélia Diniz, Lorena Machado, Walter Portella, Chaguinha, Vic Mitello, João Paulo, Helena Samara, José Carvalho, David Hungaro, Genésio de Carvalho.

Ano: 1976

Companhia Distribuidora: Program Filmes





Sobre a Boca do Lixo

Geograficamente, a "Boca do Lixo" está situada no centro de São Paulo, vizinha à estação da Luz. Nos anos 1950, recebeu esse nome por ser pauta das crônicas policiais da cidade. A proximidade com as estações ferroviárias atraiu o cinema. Era muito mais barato manter sua distribuidora e/ou produtora em um local com fácil acesso a tais estações, para o transporte das cópias dos filmes.
A partir dos anos 1960, a "Boca" se tornaria o principal polo produtor cinematográfico do país, congregando produtores, técnicos, diretores, atores e intelectuais nas cercanias da Rua do Triumpho. Berço do chamado Cinema Marginal e responsável por uma grande variedade de filmes de gênero, quase sempre com apelo erótico, a "Boca do Lixo" frutificou em questão de público e bilheteria, mas naufragou quanto às avaliações críticas.
A "Boca" continuou produzindo filmes populares, de baixo orçamento e sem verbas estatais até o final dos anos 1980, quando já estava dominada pelo cinema de sexo explícito.