Fonte: [+] [-]

Viva a Boca do Lixo - Aqui, Tarados!


















Viva a Boca do Lixo


Aqui, Tarados!                                               (publicado: 11/2013)

Por Gabriel Carneiro

A Boca do Lixo sempre gostou dos filmes em episódios. A junção de três ou quatro curtas ou médias era uma ótima forma de comercializar o formato, obtendo lançamento nos cinemas. Produzidos, em geral, sob um tema bastante aberto que unia as narrativas, os filmes em episódios da Boca do Lixo seguiam a mesma fórmula dos outros filmes, agilizando a produção e barateando os custos. Fosse durante o dito Cinema Marginal (As Libertinas/1968, Audácia/1969, América do Sexo/1969 etc), fosse no começo da produção de pornochanchadas (Lua de Mel e Amendoim/1971, A Infidelidade ao Alcance de Todos/1971). Se na seara das comédias eróticas, a Cinedistri parecia ter preferência pelo formato (Cada um Dá o que Tem/1975, Já Não Se Faz Amor Como Antigamente/1976 etc), na virada dos anos 1970 para os anos 1980, vários outros produtores atinaram para as possibilidades de lucro do formato – vide A.P. Galante, que volta ao filme de episódios em As Safadas (1982) e Sérgio Tufik que estreia nele, com As Taras de Todos Nós (1981), entre vários outros.

Talvez, porém, quem tenha se dado melhor produzindo filmes em episódios tenha sido David Cardoso. Cardoso, que começou como assistente de direção e fazendo pontas, até se tornar o principal galã da Boca – e não só de lá -, tem uma das trajetórias mais interessantes do cinema brasileiro. Saiu do Mato Grosso para se tornar o principal empreendedor cinematográfico de sua época, trabalhando também como diretor e produtor, em várias frentes, além de explorar sua faceta de galã e herói fílmico. Produziu cinco longas de episódios, todos roteirizados por Ody Fraga - A Noite das Taras/1980, Pornô!/1981, A Noite das Taras II/1982, Caçadas Eróticas/1984 e Aqui, Tarados!/1981.

Aqui, Tarados! reúne a mesma equipe do muito bem sucedido nas bilheterias A Noite das Taras: John Doo, Ody Fraga e David Cardoso na direção, Cláudio Portioli na fotografia e Jair Garcia Duarte na montagem. A principal diferença entre Aqui, Tarados! e os outros filmes de episódios feitos nessa época, na Boca do Lixo, é a extrema ousadia em lidar com tabus sexuais. Se as taras dos demais filmes são, em geral, corriqueiras, banais até, Aqui, Tarados! não teme em ir para a obscuridade e trabalhar a morte e o sexo.

Como em todo filme de episódio, Aqui, Tarados! também é bastante irregular. O primeiro filme, A Tia de André, de John Doo, aposta no tabu do incesto, na relação libertina entre uma tia e seu sobrinho menor de idade que não se veem há muito tempo. Doo é hábil diretor e sabe extrair ao máximo a excitação latente da situação, jogando com a voz over do fluxo de pensamento de ambos os personagens. Consegue assim bons momentos de humor e de erotismo – com a já obrigatória cena de banho no chuveiro. O roteiro de Ody Fraga, porém, não ajuda, e o filme não passa de uma situação sem desenvolvimento. Esse é o mesmo problema de A Viúva do Dr. Vidal, dirigido pelo próprio Ody, ainda que se saia melhor. Nele, uma viúva resolve comemorar a morte do marido crápula. A celebração é regada a álcool e a sexo na presença do defunto do marido – em cima dele, inclusive –, e já aponta a transgressão que viria no melhor filme dirigido por David Cardoso – e certamente um dos melhores filmes feitos na Boca do Lixo: O Pasteleiro.

O Pasteleiro traz John Doo como um pasteleiro de dotes culinários únicos, provedor do pastel especial em espeluncas, mas a preço de restaurante chique. Seu pastel, diz ele, não tem nada de especial: a carne que ele usa, sim, essa é especial. Numa noite de solidão, o pasteleiro convida uma garota de programa à sua casa. Não é o sexo a princípio que lhe interessa, mas sim a companhia. Conversam, serve chá. É um pasteleiro sensível, que tenta valorizar a moça acima de tudo. Se Cardoso acompanha com leveza o desenrolar da situação, sabe compor o tom de mistério, muito por conta da mise-en-scène (fotos de garotas penduradas na parede como um altar, a caracterização evidenciada do pasteleiro etc). Cardoso sabe trabalhar muito bem o ritmo dessa primeira metade do filme, sem se apressar numa potencial resolução e investida naquilo que dava público aos filmes da Boca: a nudez e o sexo.

Essa construção da situação e do personagem só exacerba a transgressão que vem por aí, quando num ataque, entre o psicótico passional e o calculista contido, o pasteleiro faz da bela Alvamar Taddei sua vítima. Seguem-se cenas de necrofilia, canibalismo, mutilações etc, no mais gráfico gore que se poderia imaginar para o contexto, num tom de extrema perversidade, quase beirando o existencial – o que talvez se deva muito a Doo e à sua transformação durante o filme em termos de interpretação. Vale dizer que Doo era um grande diretor de filmes que trabalham com assassinatos e psicose – vide o belo Ninfas Diabólicas (1978) - e talvez tenha influenciado Cardoso na composição do filme.

O Pasteleiro daria um ótimo longa, se Cardoso tivesse persistido no roteiro. Havia espaço, ali, para desenvolver outras situações e poderia ter sido dedicado mais tempo à preparação da carne especial do pastel, por exemplo – o cuidado da primeira metade é abandonado pelo tom operístico da transgressão de suas cenas. Como está, infelizmente, ficou escondido, relegado aos mais atentos.


FICHA TÉCNICA:

Títulos dos Episódios: A Tia de André; A Viúva do Dr. Vidal; O Pasteleiro

Direção: John Doo, Ody Fraga, David Cardoso
Assistência de Direção: Guilherme de Almeida Prado
Direção de fotografia: Cláudio Portioli
Câmera: Cláudio Portioli
Assistência de câmera: Concordio Matarazzo
Montador: Jair Garcia Duarte
Produtores: David Cardoso
Direção de produção: Alvínio Correa
Assistentes de produção: Pedro I. Rodrigues, José R. Fedegozo
Gerente de produção: Antonio C. Ribeiro
Roteiro: Ody Fraga
Argumento: Ody Fraga
Chefe eletricista: Amauri Fonseca
Auxiliar de maquinista: José Valêncio
Letreiros: José Gidélcio do Nascimento

Elenco: Zaira Bueno, Sônia Garcia, Alvamar Taddei, John Doo, Arthur Rovedeer, Jeferson R. Pezeta, Mílton Manzano, Jair Garcia Duarte, Antônio C. Ribeiro, Luiz Castellini.

Ano: 1981

Companhia Distribuidora: Ouro Nacional, Art Films







Sobre a Boca do Lixo

Geograficamente, a "Boca do Lixo" está situada no centro de São Paulo, vizinha à estação da Luz. Nos anos 1950, recebeu esse nome por ser pauta das crônicas policiais da cidade. A proximidade com as estações ferroviárias atraiu o cinema. Era muito mais barato manter sua distribuidora e/ou produtora em um local com fácil acesso a tais estações, para o transporte das cópias dos filmes.
A partir dos anos 1960, a "Boca" se tornaria o principal polo produtor cinematográfico do país, congregando produtores, técnicos, diretores, atores e intelectuais nas cercanias da Rua do Triumpho. Berço do chamado Cinema Marginal e responsável por uma grande variedade de filmes de gênero, quase sempre com apelo erótico, a "Boca do Lixo" frutificou em questão de público e bilheteria, mas naufragou quanto às avaliações críticas.
A "Boca" continuou produzindo filmes populares, de baixo orçamento e sem verbas estatais até o final dos anos 1980, quando já estava dominada pelo cinema de sexo explícito.